José Saramago e Lobo Antunes na realidade Portuguesa 

Em 1997 após uma incursão no coração da Galiza, fui à Feira do Livro em Lisboa.

Vi o Antunes e fui falar com ele. Este levantou-se e disse-me ferozmente: o que é que você quer? Parecia que me queria bater. Acalmei-o. Falei um pouco e fui embora.

Do outro lado da Feira estava o Saramago.

Olhei-o e perguntei se me podia sentar a seu lado. Ele acedeu. Estivemos uma hora em calma,  trocando palavras. Depois despedi-me e fui dar um passeio.

Lobo Antunes foi responsável pelo encarceramento psiquiátrico de milhares de pessoas em Portugal. A imprensa apaparica-o como o fez e faz a diletantes sem fibra moral. Até no Comité do Nobel isso aconteceu e acontece em alguns casos como com Egas Moniz.
Saramago era diferente e combativo.

Não sou de esquerda nem de direita. Mas sei o quanto vale a dignidade.